sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Clínica veterinária acusada de omissão de cirurgia em pata de cadela


Tudo começou quando a cadelinha ficou com claudicação após a corrida contra gatos. Somente após três dias a dona levou na primeira clínica veterinária, no qual foi sugerida em aguardar a evolução. No dia seguinte, a autora levou a segunda clínica, que orientou sobre a necessidade de cirurgia. 

Após sete dias, foi levada a terceira opinião, confirmando sobre o procedimento, que foi realizada no dia seguinte a cirurgia da pata. 


 A dona sentindo prejudicada pela omissão da primeira clínica ajuíza ação de indenização. Disse ela, que devido a este retardamento provocada pela primeira clínica houve o agravamento da lesão, sofrimento e a necessidade de cirurgia, e pede ressarcimento pelas despesas efetuadas e danos morais. 

Provas cabais isentam clínica veterinária de indenização pela morte de cão.


 No entanto, segundo o magistrado, ao que consta nos autos, dá a entender que desde o primeiro instante a autora da ação já sabia da necessidade de cirurgia. Se a informação está em conflito no primeiro dia, a mesma se confirmou no dia seguinte com a segunda clínica, que indicou sobre o procedimento. Porém, somente na terceira e após o total de onze dias do acidente é que foi realizada a cirurgia. Não se pode imputar responsabilidade a primeira clínica pela negligência. Conclui a justiça gaúcha, que não há fundamento para se estabelecer o nexo de causalidade entre a omissão, o agravamento e o sofrimento do estado do animal. TJRS 71000759613. 

VEJA MAIS:

A RESPONSABILIDADE CIVIL DO CLÍNICO MÉDICO VETERINÁRIO DE PEQUENOS ANIMAIS

 

Em decorrência de doenças pré-existentes, a conduta do médico veterinário não foi causa de cegueira do cão.

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário